top of page

Inteligência Artificial e Saúde Pública

Atualizado: 14 de jun. de 2023


As ciências médicas que se preocupam com o estudo de novas tecnologias para investigação e intervenção em saúde pública não são alheias ao advento da Inteligência Artificial. Com alguns ajustes, vamos ver o que a nova tecnologia designada ChatGPT tem a dizer sobre a aplicabilidade da IA em Saúde Pública (ajustes a vermelho):



A inteligência artificial (IA) está cada vez mais a ser utilizada para apoiar intervenções de saúde pública. A capacidade da IA de processar grandes quantidades de dados e identificar padrões pode ajudar os profissionais de saúde a tomar decisões mais informadas sobre como responder às crises de saúde pública.

Um exemplo de como a IA está sendo usada na saúde pública é na identificação e rastreamento de doenças infeciosas. Os algoritmos de IA podem analisar dados de fontes como registos de saúde eletrónicos e órgãos de comunicação social para detetar rapidamente surtos de doenças infeciosas, como a gripe. Isso permite que os profissionais de saúde tomem medidas para prevenir a disseminação da doença, como fornecer vacinas ou implementar medidas de quarentena.

A IA também está a ser utilizada para melhorar a eficiência e eficácia das campanhas de saúde pública. Por exemplo, algoritmos de IA podem analisar dados de demografia da população e comportamentos de saúde para identificar grupos que estão em maior risco de certas doenças. Essas informações podem ser usadas para desenvolver campanhas de saúde pública direcionadas que são mais propensas a serem eficazes.

Outra área onde a IA está a ser utilizada na saúde pública é no desenvolvimento de medicina personalizada. Algoritmos de IA podem analisar dados de testes genéticos e registos médicos para identificar indivíduos que estão em risco de certas doenças e desenvolver planos de tratamento personalizados. Isso pode ajudar a melhorar a eficácia dos tratamentos médicos e reduzir o risco de efeitos colaterais.

Além destas aplicações, a IA está sendo usada em muitas outras áreas da saúde pública, incluindo no desenvolvimento de novos medicamentos e vacinas e na análise de dados de saúde para identificar tendências e padrões que podem informar políticas de saúde pública.

Em geral, a IA é uma ferramenta importante para apoiar intervenções de saúde pública, pois permite que os profissionais de saúde analisem grandes quantidades de dados rapidamente e tomem decisões mais informadas sobre como responder às crises de saúde pública. Com a quantidade crescente de dados gerados pelos sistemas de saúde, o uso da IA na saúde pública é esperado desempenhar um papel ainda mais importante no futuro.

Impressionante.


Fica ao nosso cuidado aprender como proceder a uma análise critica do que estas tecnologias nos são capazes de entregar. Há uma importância crescente na nossa capacidade de ter uma visão mais alargada e estratégica e depois, tendo uma noção de bases, saber COMO perguntar, construir uma Query, um Prompt ou um “bloco de código” para otimizar.


Da minha parte, sugiro começar a pensar nestas ferramentas como uma oportunidade para criar equipas com competências distribuídas de forma que se faça o que a “máquina” ainda não consegue: ser criativo e investir em estratégias de intervenção mais humanas.


Myamoto Musashi escrevia que há mil formas de transformar um bocado de madeira numa estátua de um buda, ou seja, no fim, todas as técnicas têm de cumprir o mesmo objetivo. Estas ferramentas de BI não nos substituem. São mais uma “técnica”, que cabe aos profissionais saber dominar, de forma a produzir um melhor trabalho.



Hugo Monteiro

Médico de Saúde Pública na Administração Regional de Saúde do Norte



Comments


bottom of page