top of page

10 momentos marcantes de 2022

O ano de 2022 foi um ano de transformação, novos desafios e de readaptação da Saúde Pública. Desta forma, para nos despedirmos deste ano e darmos as boas-vindas ao novo, escolhemos 10 momentos no âmbito da Saúde Pública que marcaram 2022:


  • Em contexto da pandemia COVID-19 foram realizadas várias alterações às medidas de mitigação da mesma, diminuindo o seu grau de alerta e abrindo portas ao regresso dos eventos de massa. Por outro lado, foi criada uma nova definição da condição pós-COVID-19, também designada de COVID longa, que será importante monitorizar;


  • No fim de fevereiro, a Rússia lançou uma operação militar no leste da Ucrânia, despoletando assim uma guerra que se mantém até hoje. Durante este ano, foram já mais de 7 milhões de refugiados Ucranianos que saíram do seu país em busca de uma vida melhor e só em Portugal teremos cerca de 56 mil, segundo dados da UNHCR. Esta situação é preocupante e impõe um desafio extra para os sistemas de saúde e para a saúde pública dos diferentes países;


  • No primeiro semestre do ano, a Saúde Pública viu-se a enfrentar a reemergência de casos de infeção pelo vírus monkeypox (VMPX), um vírus do gênero Orthopoxvirus, pertencente à família Poxviridae. O primeiro caso foi detetado em maio no Reino Unido num cidadão britânico sintomático e que tinha viajado recentemente para a Nigéria, onde a doença é endémica. Mais tarde, foram-se detetando outros casos distribuídos por vários países, muitos dos quais, sem aparente link epidemiológico. No fim de maio, cerca de 24 países, a maioria na Europa, tinham reportado casos de infeção por monkeypox. A maioria dos casos foram detetados em homens jovens, particularmente, em homens que têm sexo com homens, ou que tinham feito uma viagem a países com casos registados. A 23 de junho, a OMS declarou esta doença como uma emergência em saúde pública de importância internacional. Em Portugal, foi detetada a presença do vírus Monkeypox a 3 de maio, com a confirmação laboratorial de cinco casos de infeção humana por VMPX. Desde então, até 25 de novembro de 2022, foram identificados 948 casos confirmados laboratorialmente. Segundo o último relatório, nº 019, da informação semanal sobre a infeção humana por vírus Monkeypox publicado a 25 de novembro de 2022, desde 11 de novembro não foram reportados novos casos em Portugal;


  • Ainda no primeiro semestre do ano, começaram a surgir casos de hepatite aguda grave de etiologia desconhecida em diversos países, com especial incidência em crianças até aos 10 anos. A maioria eram crianças com idades compreendidas entre os 3 e os 5 anos e previamente saudáveis. Apresentavam quadros clínicos de hepatite aguda com AST ou ALT acima de 500 UI/L, icterícia e manifestações gastrointestinais como diarreia, dor abdominal e náuseas. Neste contexto, 11 crianças terão recebido transplante hepático. Com base no relatório disponibilizado pelo Reino Unido na altura, o adenovírus foi o agente mais frequentemente detetado;


  • A proposta do Plano Nacional de Saúde 2021-2030 (PNS) foi apresentada publicamente para consulta pública no dia da comemoração do Dia Mundial da Saúde, 7 de abril. Com o tema “saúde sustentável de tod@s para tod@s”, o PNS é um dos principais instrumentos norteadores da política de saúde em Portugal, e a sua elaboração com base numa metodologia participativa é fundamental. Contudo, aparenta ainda estar demasiado centrado na doença e conservador na abordagem. A sua sustentação dependerá fortemente do seu modelo de governação, da articulação nacional e do alinhamento subnacional e da forma de financiamento. Até ao momento, ainda não foi publicada a versão final do Plano Nacional de Saúde 2021-2030;


  • Em maio, os Ministros da Saúde do G7 (grupo de países dos mais industrializados do mundo) reuniram-se para discutir a pegada ambiental dos sistemas de saúde e a necessidade de construir sistemas de saúde sustentáveis do ponto de vista ecológico e com neutralidade carbónica, abrangendo objetivos e ideias até ao ano de 2050. Atualmente, a prestação de cuidados de saúde contribui com mais de 4,4% das emissões de gases com efeito de estufa e os países membros do G7 (Canadá, Reino Unido, Alemanha, Itália, Japão, França e Estados Unidos da América), assim como a União Europeia, são responsáveis por 46% da pegada ecológica dos cuidados de saúde. Neste contexto, foi publicado um documento com recomendações da HCWH Europe, “Accelerating Healthcare decarbonisation in the Mediterranean Region”;

  • Em agosto foi publicado em Diário da República o novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde (SNS) (Decreto-Lei n.º 52/2022). Este documento previu a criação da Direção Executiva do SNS, regida pelo Decreto-Lei n.º 61/2022, que é responsável por coordenar a resposta assistencial das unidades de saúde do SNS. Da mesma forma, a missão das Administrações Regionais de Saúde deixou de incluir a prestação de cuidados, focando-se no planeamento regional dos recursos. Ao Ministério da Saúde continua a caber a condução da política nacional de saúde;


  • Nos últimos meses do ano, a ANMSP em parceria com o Centro de Estudos e Avaliação em Saúde (CEFAR-IFOSAÚDE) da Associação Nacional de Farmácias, disponibilizou o Boletim da Afeção Respiratória na Comunidade em Portugal para a época gripal 2022/2023 (D:ESPERTADOR), disponível na página da ANMSP (https://www.anmsp.pt/despertador) e, semanalmente, é publicado no instagram da ANMSP;


  • Em novembro, decorreu o III Congresso Nacional dos Médicos de Saúde Pública organizado pela ANMSP que contou com a presença de mais de uma centena de participantes, tendo sido um evento repleto de momentos de partilha de boas práticas, com sessões de brainstorming e de discussão de ideias para o melhoramento contínuo da Saúde Pública;


  • Ainda durante o mês de novembro, no rescaldo da Conferência Europeia de Saúde Pública que decorreu em Berlim, tivemos a fantástica novidade que, em 2025, a Conferência Europeia de Saúde Pública terá lugar em Lisboa.


Aguardamos os desafios que este próximo ano nos irá trazer e contem com a nossa companhia para vos mantermos sempre atualizados! Também vão poder contar com mais eventos e mais iniciativas que já estão a ser preparadas para 2023… Continuem connosco e não percam nada!

Fonte da imagem: Pixabay





Ana Luísa Pinto

Médica interna de Saúde Pública na ULSNE

Membro da equipa de comunicação da ANMSP




bottom of page