top of page

A importância da abordagem One Health na Saúde

Atualizado: 14 de jun. de 2023


O conceito de One Health foi introduzido por Calvin Schwabe, num manual de medicina veterinária em 1964, para reflectir as semelhanças entre a medicina animal e humana e sublinhar a importância da colaboração entre veterinários e médicos para ajudar a resolver problemas de saúde globais.


Em 2021, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, a Organização Mundial da Saúde Animal, o Programa das Nações Unidas para o Ambiente e a Organização Mundial da Saúde adoptaram uma definição mais ampla deste conceito como uma abordagem integrada e unificadora que reconhece que a saúde dos seres humanos, animais, plantas e o ambiente em geral (incluindo os ecossistemas) estão intimamente ligados e interdependentes.

Quais são as principais mudanças ambientais que estão a afectar a saúde humana? Estas condições ambientais da saúde humana são a superpopulação, as alterações climáticas, a degradação dos ecossistemas, a perda de biodiversidade e o esgotamento dos recursos naturais.


Levámos 200.000 anos a atingir uma população mundial de mil milhões (1803) e 220 anos a atingir 8 mil milhões de pessoas, o que aconteceu a 15 de Novembro de 2022. Desde 1970, a nossa Pegada Ecológica tem excedido a taxa de regeneração da Terra. Os efeitos das alterações climáticas são o aquecimento global (desbaste do manto de gelo, subida do nível da água, oceano mais ácido), temperaturas extremas, escassez de alimentos, aumento dos alérgenos, perda de biodiversidade, tempestades mais severas, inundações, incêndios e secas, mais pobreza, deslocamentos e riscos para a saúde. Houve um aumento na frequência e intensidade das temperaturas extremas (incluindo ondas de calor), precipitação intensa, e grandes ciclones tropicais na maioria das regiões terrestres. Prevê-se que os eventos de precipitação diária extrema aumentem aproximadamente 7% para cada 1°C de aquecimento global. A seca global poderá ter impacto em mais de 75% da população mundial até 2050. As alterações climáticas poderão arrastar mais de 100 milhões de pessoas de volta à pobreza extrema até 2030.


Estas alterações devem-se a emissões de GEE passadas e futuras. Algumas delas são irreversíveis, especialmente mudanças no oceano, nas camadas de gelo, e no nível global do mar. Além disso, o sector da saúde tem uma pegada climática muito grande, que é equivalente a 4,4% das emissões líquidas globais de gases com efeito de estufa. Em Portugal, esta taxa é ainda mais elevada (4,8%).


O mundo também está a sofrer uma degradação dos ecossistemas, perda de biodiversidade e esgotamento dos recursos naturais. Desde a revolução industrial, as actividades humanas têm vindo a destruir cada vez mais florestas, prados e zonas húmidas, ameaçando vidas humanas e bem-estar. Estima-se que 75% da superfície terrestre livre de gelo já foi significativamente alterada e mais de 85% da zona húmida já foi perdida. Nos últimos 50 anos, houve uma diminuição média de 70% no tamanho da população de mamíferos, aves, anfíbios, répteis e peixes e um milhão de espécies estão em risco de extinção.


O reconhecimento de que as actividades humanas começaram a ter um efeito global substancial nos sistemas da Terra levou à proposta de definir a actual época geológica, como a época Antropocénica.



Quais são os efeitos das alterações climáticas e da degradação dos ecossistemas sobre a saúde?


Todos os anos, os factores ambientais tiram a vida a cerca de 13 milhões de pessoas. A nível mundial, 9 em cada 10 pessoas respiram ar contendo elevados níveis de poluentes que excedem os limites das directrizes da OMS. A poluição do ar e o aumento de alergénios estão a aumentar a incidência de doenças cardiocerebrovasculares, cancro do pulmão, doenças pulmonares obstrutivas crónicas, asma e alergias. As alterações na ecologia dos vectores estão a aumentar as doenças transmitidas por vectores, como a malária, dengue, febre amarela, vírus zika e encefalite japonesa, causando anualmente mais de 700.000 mortes. As alterações climáticas, mas também a desflorestação, o comércio ilegal e mal regulamentado de animais selvagens, a intensificação da agricultura, a produção animal e a resistência antimicrobiana aumentam o risco de doenças zoonóticas, doenças transmitidas pelos animais, tais como salmonelose, vírus do Nilo Ocidental, emergentes coronavírus, raiva, brucelose e doença de Lyme. Estas doenças representam 60% dos agentes patogénicos que causam doenças humanas. Quase 100% das pandemias têm sido causadas por zoonoses. Todos os anos, mais de 3,4 milhões de pessoas morrem em consequência de doenças relacionadas com a água, tais como cólera, tifóide e disenteria. As doenças de origem alimentar causam 420.000 mortes por ano em todo o mundo. Desde 1970, os riscos climáticos, meteorológicos e hídricos representaram 50% de todas as catástrofes e 45% de todas as mortes comunicadas. Mais de 10 milhões de pessoas perderam as suas vidas devido a grandes secas no século passado e, todos os anos, cerca de 339.000 pessoas morrem em todo o mundo em consequência do fumo dos incêndios florestais. Mais de cinco milhões de mortes a mais por ano podem ser atribuídas a temperaturas extremas, que também afectam directamente o organismo e aumentam o risco de doenças cardiocerebrovasculares. As alterações climáticas estão a ter impactos cada vez mais fortes e duradouros nas pessoas, que podem, directa e indirectamente, afectar a sua saúde mental e bem-estar psicossocial. Todas estas consequências afectam grupos particularmente vulneráveis como as crianças, os idosos, os doentes com multimorbilidade, os sem-abrigo e as pessoas pobres. Nos últimos 20 anos, as doenças relacionadas com o calor aumentaram em mais de 50% entre os idosos.


A inversão da ameaça colocada pelas alterações climáticas e pela degradação ambiental ainda parece possível, mas depende das decisões de cada país, organização, e pessoa nos próximos anos. Os médicos - como defensores dos seus pacientes, mas também como cidadãos - têm a obrigação ética de se envolverem neste movimento global. Há um sentido de urgência nesta matéria.


A Organização Mundial de Saúde, várias sociedades científicas, e organismos profissionais de diferentes países já tomaram posições sobre o impacto das alterações climáticas e da degradação ambiental na saúde da população. A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna foi a primeira sociedade de Medicina Interna do mundo a tomar uma posição pública e emitir recomendações sobre este tema (2017).


A Federação Europeia de Medicina Interna também publicou um artigo de posição no European Journal of Internal Medicine fazendo o mesmo apelo (2022).


Foi a consciência de que vamos deixar este planeta em pior estado do que o que recebemos dos nossos pais, foi o sentido do dever de solidariedade intergeracional, e a noção de que nós médicos, para além de sermos prestadores de cuidados, devemos também ser defensores dos nossos pacientes, que nos motivou a criar o Conselho Português de Saúde e Ambiente, que foi fundado a 19 de outubro de 2022. A nossa visão é que as gerações actuais e futuras terão o direito a uma vida feliz e saudável num planeta que deixe de estar ameaçado pelas alterações climáticas e pela degradação ambiental. Os nossos objectivos são reunir as principais organizações relacionadas com a saúde para intervir conjuntamente nas questões das alterações climáticas, degradação ambiental e seu impacto na saúde, identificação e publicação de boas práticas de sustentabilidade ambiental, promoção da sensibilização, educação e investigação nesta área, defender a necessidade de o sector da saúde reduzir a sua pegada ecológica e ajudar o sistema de saúde a responder à actual transição epidemiológica e ao aumento do risco de acontecimentos inesperados. Temos actualmente 54 membros, incluindo 10 das mais importantes associações de saúde, seis associações profissionais incluindo as associações médicas e veterinárias, 17 sociedades científicas, seis instituições académicas, oito laboratórios farmacêuticos, três grupos privados de saúde, duas associações de doentes, e outros.


Robert Swan, o primeiro homem a chegar aos dois pólos, disse "A maior ameaça ao nosso planeta é a crença de que outra pessoa a salvará". Mudar o destino anunciado para a humanidade exige o empenho de todos, e nós, profissionais de saúde, temos uma responsabilidade acrescida nesta luta.





Luís Campos

Presidente do Conselho Português para a Saúde e Ambiente.




Biografia

Presidente do Conselho Português para a Saúde e Ambiente. Especialista em Medicina Interna e Mestre em Gestão da Qualidade dos Serviços de Saúde pela Universidade de Múrcia. Comissário do Plano Nacional de Saúde 2021-2030, perito da Direção-Geral da Saúde, membro da Comissão Nacional de Centros de Referência, membro do Conselho Nacional para a Formação Profissional Contínua da Ordem dos Médicos, presidente do Comité de Qualidade de Cuidados e Assuntos Profissionais da Federação Europeia de Medicina Interna e coordenador da Medicina Interna da Clínica CUF Belém. É Honorary Fellow do American College of Physicians e Fellow da European Federation of Internal Medicine.



Referências

1. Campos L. Climate Change, Health, and our Responsibility:

SPMI Recommendations. Medicina Interna. 2017. 24 (2): 83-84

2. Campos L, Barreto JV, Bassetti S, et al. Physicians' responsibility toward environmental degradation and climate change: A position paper of the European Federation of Internal Medicine. Eur J Intern Med. 2022;104:55-58. doi:10.1016/j.ejim.2022.08.001

תגובות


bottom of page